Saltitando com as Palavras, como o próprio significado da palavra SALTITAR — divagar de um para outro assunto — foi idealizado para expressar e partilhar as pequenas coisas boas, e menos boas da vida, tais como: emoções, dificuldades, desafios, conquistas, alegrias, enfim, pulular este espaço com todo o tipo de informação para o bem-estar e lazer.

Toda segunda-feira é meio começo, meio preguiça, meio esperança...

Vivemos num mundo com uma grande diversidade de gostos e opiniões, no entanto, uma delas é quase unânime para a maioria das pessoas: não gostar da segunda-feira.  Em verdade, se avaliarmos bem, nossas segundas-feiras são tão estressantes quanto os demais dias úteis da semana, com exceção da sexta, porque dá início a outro final de semana! Aliás, é também pela proximidade com a segunda-feira ou com o trabalho em si que as pessoas costumam não ser tão fãs das noites de domingo.  

Mas verdade seja dita, pelos excessos dos fins de semana,  após aquele churrasquinho, a pipoca do cinema, as cervejas, os refrigerantes, a pizza, o pastel na barraquinha de praia,  aquele brigadeiros e tudo mais que nos damos direito a comer, é natural que nos sintamos menos saudável, cansados  e mal-humorados às segundas-feiras.

Agora, cá entre nós, quem nunca disse que iria começar uma nova dieta, ou parar de fumar, ou começar a correr, ou entrar para a academia, ou procurar um novo trabalho  etc., claro, quando? Na segunda-feira!  Não resta dúvida  que a angústia em relação às segundas está ligada ao voltar para obrigações ou ao protelamento de decisões, já que, em princípio, a segunda-feira tem “sinônimo” de (re)começo.

E porque hoje é segunda-feira nada melhor do que ler e reler a crônica de Adriana Falcão sobre  segunda-feira.  


Toda segunda-feira começa cedo mesmo que se acorde tarde.

As segundas, aliás, começam quase sempre na véspera, "amanhã já é segunda", (toda noite de domingo traz com ela, além da depressão habitual e do som de uma TV ligada, uma segunda-feira inevitável).

Toda segunda, há uma promessa a ser cumprida, pelo menos uma, muitos ônibus lotados, atrasos motivados pelos mais diversos motivos e um alto índice de enfartes.

Toda segunda tem a esperança de um telefonema que mude a sua vida, tem um papel pra ser assinado, tem uma prestação pra se botar em dia e tem uma importante decisão a ser tomada.

Toda segunda tem um pouquinho de primeiro do ano.

Toda segunda um cantor de bar fica rouco, um bailarino está exausto, um artista de teatro aproveita sua folga até a próxima quarta e a namorada de um garçom capricha na lavanda.

Toda segunda, um homem que bebe procura urgentemente uma desculpa.

Toda segunda tem alguém que parou de beber, tem alguém que parou de fumar, tem alguém começando uma dieta.

Toda segunda, em um prato, em uma cozinha, tem um resto de bolo de chocolate.

Toda segunda, as agendas das garotas acumulam novos ingressos de show, notinhas de bar, pétalas de flor, guardanapos de papel, bilhetes de amor e ficam ainda mais gordas.

Em compensação, as folhinhas, se é que ainda existem folhinhas, vão ficando mais magras.

Toda segunda tem pelo menos um bom dia que é dito com alegria por alguém que encontrou o seu amor no final de semana, e pelo menos um que é dito com tristeza por alguém que perdeu o seu, ou porque ele se foi, ou porque o amor perdeu a graça.

Toda segunda, secretárias com muitas aventuras pra contar deixam os chefes malucos atrás de documentos, relatórios e cronogramas.

Toda segunda os desenganados têm mais um domingo pra contar e os infelizes da vida ficam contentes porque têm menos um domingo pela frente.

Toda segunda alguém começa uma contagem regressiva.

Toda segunda uma expectativa se estabelece.

Toda segunda um prazo se esgota.

Segunda sim, segunda não, já se passou uma quinzena e alguém continua esperando alguma coisa que não chega nunca.

Toda segunda existe um trabalho chatíssimo pra fazer, a não ser que, sorte a sua, seja feriado.

Toda segunda é ensolarada, mesmo as mais chuvosas, só para arruinar o humor da humanidade.

Toda segunda é igual à outra, menos se o seu time ganhou, se o despertador não tocou, se o seu filho nasceu ou se um terremoto destruiu a cidade.

Toda segunda nascem não sei quantas crianças, umas de parto normal, umas de cesariana, e todas elas, benza Deus, segunda que vem vão completar uma semana.

Toda segunda faz um ano exato que um fato qualquer aconteceu e para alguma pessoa, por algum motivo, isso tem uma enorme importância.

Toda segunda é meio lembrança, meio começo, meio cansaço, meio maçante, meio preguiça, meio esperança.

Toda segunda tem alguma coisa ruim, alguma coisa boa, e uma péssima fama.


Fonte:
Crônica extraída do livro “O Doido da Garrafa” de Adriana Falcão.

Tags: