Saltitando com as Palavras, como o próprio significado da palavra SALTITAR — divagar de um para outro assunto — foi idealizado para expressar e partilhar as pequenas coisas boas, e menos boas da vida, tais como: emoções, dificuldades, desafios, conquistas, alegrias, enfim, pulular este espaço com todo o tipo de informação para o bem-estar e lazer.

Na Vida, Errar é Inevitável!

Cometer erros, faz parte da vida de qualquer ser humano,  inclusive, em algumas situações, é válido, porque enaltece e renova determinadas competências, das quais dependemos para nos superarmos, nos respeitarmos e nos aceitarmos como seres humanos em um constante aprendizado.
 
Uns admitem seus erros, outros, simplesmente os negam e ficam o tempo todo com medo de cometerem outros, esquecendo-se assim de que o mundo é dos que se atrevem a vivê-lo.
 
Abaixo, publicamos um texto de joão Alfredo Biscaia, que vale a pena ler, reler e refletir. Confira!
 
Sinto um forte desconforto ao ouvir as pessoas afirmarem que “não se arrependem de nada que fizeram na vida”. Confesso que chego a ter um sentimento de piedade, já que se arrepender de um erro — coisa na qual todos nós humanos invariavelmente incorremos — é uma atitude de grandeza, de renovação, de vida diferente.
 
Ao ler a biografia de Juscelino Kubitscheck aprendi que “não ter compromisso com o erro” foi um traço marcante em sua vida. Juscelino foi sempre reconhecido pelo seu estilo empreendedor, inovador e arrojado, uma pessoa que admitia o erro, qualidade que mesmo seus mais ferrenhos adversários políticos reconheciam.
 
Quero confessar, autêntica e espontaneamente, que errei muito na minha vida, mais do que talvez devesse, nos diversos papéis que desempenhei ou que ainda desempenho, tais como: pai, marido, filho, irmão, profissional, colega, amigo e em todos os demais relacionamentos humanos que tenho mantido nesse já longo tempo de caminhada.
 
Tenho que aprender — e não apenas ensinar — que é preciso reexaminar os erros. Como na vida o errar é inevitável, tento analisar com objetividade as falhas do passado de modo a minimizar o efeito dos erros que vier a cometer no futuro. Isto exige coragem e perseverança, mas acredito que valha a pena, principalmente quando se aceita o princípio de que ninguém neste mundo é perfeito.
 
Todos nós temos qualidades e pontos a melhorar. Não somos produtos “acabados”, mas em processo. É importante relembrar que a experiência só tem sentido quando se aprende com ela. A experiência por si só é nada. Ela nada ensina, só aprendemos com aquilo que transformamos em uma nova experiência que iremos vivenciar.
 
Relaciono, abaixo, 14 das principais aprendizagens observadas a partir dos inúmeros erros que já cometi, e que são irreversíveis.
 
Amar e confiar requerem correr o risco de não ser amado e de sofrer decepções. Positivamente acredito não existirem alternativas para amar e confiar.
 
Não raciocinar apenas com base nos meus desejos e necessidades. Os interesses, preferências e motivações diferem de pessoa para pessoa.
 
“Faça aos outros o que gostaria que fizessem com você” mensagem que a maioria das pessoas recebe nos primeiros anos de vida. Na fase adulta, e trabalhando em organizações como líder de pessoas e observando líderes de pessoas, tive que rever este ensinamento para:
“Faça aos outros o que gostariam que fizessem com eles”. E para que isso aconteça é necessária muita paciência, atenção e conversa com as pessoas com quem trabalhamos e vivemos, com o propósito de identificar cuidadosamente suas reais necessidades e interesses.
 
Nada muda, se você não mudar. Obteremos sempre os mesmos resultados, se adotarmos a mesma conduta.
 
A segurança emocional e psicológica “pode”, em certas situações, ser mais importante e valiosa do que a segurança financeira.
 
Evitar racionalizar os nossos erros. Saber ouvir dos outros, com atenção, aquilo que pensam, sentem e percebem a nosso respeito. Com isto, evitamos a doença conhecida como “autoengano” ou “auto-ilusão”.
 
Dar e receber feedback é uma manifestação de respeito e afeto, desde que o propósito do emissor seja realmente o de contribuir para a correção dos nossos erros. É uma expressão de humildade e reconhecimento do receptor, ao absorver as informações.
 
Os sentimentos de desprezar e ignorar as outras pessoas são os mais doloridos. Deixam cicatrizes profundas, que um simples mercurocromo não fecha.
 
Admitir que podemos vir a cometer os mesmos erros, mas jamais perder a esperança de deixar de cometê-los.
 
Que a vida não tem replay, é uma só, até que se comprove com certidão de nascimento registrada em cartório confiável, assinado em baixo, DEUS. — Vinícius de Morais.
 
• Que ganhar dinheiro fazendo o que gostamos nos oferece um enorme prazer. Não tem preço.
 
Que ganhar dinheiro fazendo aquilo que NÃO gostamos passa a ser uma indenização pela nossa infelicidade — Peter Drucker.
 
Que o tempo é inelástico, de reposição impossível. Aproveite!
 
Não conseguimos mudar o passado, mas é possível mudar a maneira como enxergamos o passado. Precisamos ter uma atitude em relação a ele e, ainda, visualizarmos o presente como o grande laboratório para vivências futuras mais adequadas. Não é à toa que chamamos o tempo real de um “presente” , já que cada dia é, de fato, uma oportunidade para elaborarmos um amanhã melhor.
 
Na Vida, Errar é Inevitável!
Texto de joão Alfredo Biscaia, MBC org
Blog Saltitando com as Palavras
 
Tags:
.