Saltitando com as Palavras, como o próprio significado da palavra SALTITAR — divagar de um para outro assunto — foi idealizado para expressar e partilhar as pequenas coisas boas, e menos boas da vida, tais como: emoções, dificuldades, desafios, conquistas, alegrias, enfim, pulular este espaço com todo o tipo de informação para o bem-estar e lazer.

Criança, tem sempre uma dentro da gente!

Hoje as crianças ficam cada vez mais informatizadas e os brinquedos eletrônicos, como celulares, vídeogames e tablets, são muito requisitados em datas comemorativas, como o Dia das Crianças, que é comemorado no dia 12 de outubro.

Entretanto, vale dizer que muitos pais ainda buscam presentear suas crianças com brinquedos tradicionais e, também, tentam repassar  as brincadeiras tradicionais vivenciadas na infância, pois como diz o texto abaixo:
Quem um dia não brincou não sabe o que perdeu. Pela infância da vida passou, só passou mas não viveu!

 
 
  
Tem sempre uma criança,
brincando dentro da gente.
Sua lembrança aliança
entre passado e presente.
  
 
 
 

Par ou ímpar, estátua, totó,
pipa, aviãozinho de papel.
Corrida de saco, dominó,
amarelinha e passa-anel.


 
 
 
 
Adivinhas, jogo de botão,
cobra-cega e queimada.
Palitinhos, dama, pião,
morto-vivo e charada.
 

 

Quem um dia não brincou
não sabe o que perdeu.
Pela infância da vida passou,
só passou mas não viveu.

  

 
 
Danças, cantigas, patinete,
boca de forno, bilboquê.
Caça-palavras, detetive e bete,
barra-manteiga, bambolê.
 



Peteleco, mímica, carrinho
e chicotinho-queimado.
Bolinha de gude, corda, trenzinho,
rolimã e marcha-soldado.

  

  
Quem um dia não brincou
não sabe o que perdeu.
Pela infância da vida passou,
só passou mas não viveu.
 
 
 
Quebra-cabeça, parlendas, peteca,
pelada de rua, escolinha.
Trava-língua, memória, boneca,
ioiô, salva-latinha.
 
 



Caça-tesouro, forca, casinha,
gol a gol, fincas no rio.
Caiu no poço, cozinhadinha
e telefone sem fio.





Quem um dia não brincou
não sabe o que perdeu.
Pela infância da vida passou,
só passou mas não viveu.






Faz-de-conta, polícia e ladrão,
perna-de-pau, rei e rainha.
Médico, visita, assombração,
prenda e ciranda-cirandinha.

 

 
  
 
Estilingue, dado, sô lobo,
pique de pegar e de esconder,
vaca-amarela, enganou o bobo...
Por que é que eu fui crescer?
Por que é que eu fui crescer?
Por que é que eu fui crescer?
 

 
Viva seu lado criança,
a pura felicidade,
enche a vida de esperança
e o coração de saudade.
 
 
 

 


Tem sempre uma criança
brincando dentro da gente,
brincando dentro da gente.


Criança, tem sempre uma dentro da gente!
Título original: Brincadeiras de Criança
Autor: Flávio Almeida
Fotos: Brincadeiras Infantis, obras de Ivan Cruz, 5º ano Arte CBC, Porto Alegre, RS
Blog Criança é  Vida


 
Leia também:
Saudades do meu Tempo de Criança…