Saltitando com as Palavras, como o próprio significado da palavra SALTITAR — divagar de um para outro assunto — foi idealizado para expressar e partilhar as pequenas coisas boas, e menos boas da vida, tais como: emoções, dificuldades, desafios, conquistas, alegrias, enfim, pulular este espaço com todo o tipo de informação para o bem-estar e lazer.

Pão Branco e algumas razões para eliminá-lo de vez!

Não há como resistir a um pãozinho branco quentinho com manteiga no café da manhã, nem tão pouco uns lanchinhos aqui, outros acolá, sem contar aqueles que preferem substituir o jantar por uma “refeição básica e rápida” - o nosso pãozinho branco de todo o dia.

Ele pode ser delicioso, mas o pão branco pode afetar negativamente o seu humor. Novas pesquisas publicadas em junho de 2015 no American Journal of Clinical Nutrition encontraram uma relação entre o consumo de carboidratos refinados e a depressão em mulheres na pós-menopausa. A mesma resposta hormonal que causa a queda nos níveis de açúcar no sangue também pode causar alterações de humor, fadiga e outros sintomas de depressão. Blog Saltitando com as Palavras
Mas será que o pão branco tem valor nutritivo?  Será que é importante para a nossa saúde? Quem quer emagrecer deve cortar o pão branco da dieta? E, afinal, qual seria a melhor opção: pão branco ou integral?

Realmente são muitas dúvidas e a cada dia que passa aumentam as opções nas prateleiras das padarias e nos supermercados deixando o consumidor ainda mais confuso na hora de comprar.

A seguir, publicamos um texto (tradução livre) do site Everyday Health  explicando as razões pelas quais deveríamos eliminar de vez o nosso tão querido e idolatrado pão branco. Confira!

A maioria das pessoas sabe que o pão branco além de ser um vilão na dieta também traz riscos para a saúde e que uma das trocas mais fáceis que se pode fazer para melhorar a saúde, é simplesmente substituir a farinha refinada pela integral.

Mas não é só no pacote de pão de forma que você tem que ficar de olho, mas também naquela baguete francesa que você compra  a caminho de casa para acompanhar o jantar, ou naquele pãozinho francês para esquentar na chapa no café da manhã e até naquela pizza do domingo à noite, que apesar de  cheirinho e sabor agradáveis, todos, sem exceção trazem um lado menos do que desejável que é o risco para a saúde.

Confira aqui cinco razões desagradáveis para eliminar o pão branco de uma vez por todas:

1• Nenhum valor nutricional
Sim, a comida é deliciosa, mas no final do dia estamos comendo por uma razão: para nutrir nossos corpos. E o pão branco, feito com farinha refinada,  não consegue atingir essa meta. "Quando um grão é refinado, tal como na fabricação de farinha para fazer o pão branco, as camadas mais externas e mais internas do grão são removidas.  Isso remove a fibra e parte das proteínas (25%), deixando apenas o amido", diz Erin Palinski-Wade, RD, autora do livro  Belly Fat Diet For Dummies (A dieta da gordura abdominal para principiantes).

Você até pode encontrar "farinha vitaminada" no rótulo, mas enquanto essa farinha tem alguns nutrientes como vitaminas do complexo B e ferro adicionado, após o processo de refinação, é inferior à farinha de trigo integral, em fibra e proteína. Optando por variedades de grãos inteiros que carregam uma dose de fibra saudável e mais proteína, estará adicionando um impulso nutricional para as refeições.

2• Oscilações nos níveis de açúcar no sangue
“Como não há fibras nem proteínas para desacelerar a digestão, o pão branco é rapidamente digerido e absorvido. Isso faz com que os níveis de açúcar no sangue aumentem rapidamente”, diz Palinski-Wade. Esse pico e a queda subsequente do açúcar não apenas leva à irritabilidade, mas estimulará você a correr para uma máquina automática de vender salgadinhos — alimentos não saudáveis.

3• Maior risco de diabetes tipo 2
“Quando o açúcar no sangue aumenta rapidamente, uma quantidade excessiva de insulina é liberada na corrente sanguínea para empurrar o açúcar para dentro das células,” diz Palinski-Wade.

“Quando isso ocorre com regularidade, as células se tornam mais resistentes à insulina, fazendo com que seja mais difícil regular os níveis de açúcar no longo prazo”.  Uma pesquisa publicada em 2010 no American Journal of Clinical Nutrition apoiou essa tese, demonstrando que as pessoas que consumiram diversas porções de grãos integrais por dia — e limitaram a ingestão de grãos refinados — tiveram uma quantidade menor do tipo de gordura que aumenta o risco de diabetes tipo 2.

4• Ganho de peso
Depois de comer carboidratos refinados como o pão branco, o excesso de açúcar na corrente sanguínea — a menos que o mesmo seja imediatamente queimado em atividade física — tende a ser estocado no corpo como gordura. Além disso, a queda subsequente fará com que você sinta fome pouco tempo depois de ingerir o alimento, então você irá em busca de mais comida.

“A digestão rápida pode aumentar a fome e os desejos, levando a uma falta de saciedade depois de comer, o que pode resultar em uma ingestão calórica maior no final do dia,” diz Palinski-Wade.

5• Depressão
Ele pode ser delicioso, mas o pão branco pode afetar negativamente o seu humor. Novas pesquisas publicadas em junho de 2015 no American Journal of Clinical Nutrition encontraram uma relação entre o consumo de carboidratos refinados e a depressão em mulheres na pós-menopausa.

A mesma resposta hormonal que causa a queda nos níveis de açúcar no sangue também pode causar alterações de humor, fadiga e outros sintomas de depressão.

Dicas para manter o pão branco fora do menu

• Recuse a cesta de pães
Quando estiver em um restaurante que serve cesta de pães como couvert, peça para o garçom não trazer uma para sua mesa,  isso irá reduzir a tentação. Se você sentir a necessidade de beliscar algo antes do seu prato chegar, peça alguns vegetais crus com um molho leve como homus, ou uma salada.

• Procure por "100% integral" ou "trigo integral 100%" no pacote
Ao comprar um pacote de pão não se esqueça de verificar a lista de ingredientes, pois não é suficiente estar listado trigo integral ou integral no rótulo, já que muitas variedades de trigo integral contêm farinha enriquecida, refinada como o primeiro ingrediente, ou seja, o pão contém mais farinha refinada do que de trigo integral.

É importante notar que há uma variedade de trigo que é branco e sem cor no farelo. Esse trigo tem um sabor mais suave e textura, ao ponto de algumas empresas que fazem pão o usarem para produzir produtos mais saudáveis, que é uma opção melhor para aqueles que não gostam do sabor ou textura de pão de trigo integral.

De qualquer forma,  você ainda precisa verificar os rótulos cuidadosamente para garantir que o pão branco de trigo é o primeiro ingrediente listado na embalagem.

• Faça trocas inteligentes
Mesmo saudáveis, os pães integrais, quando consumidos em excesso,  podem ultrapassar a sua ingestão calórica diária. Busque maneiras criativas e deliciosas de substituir o pão e outros carboidratos refinados em seus pratos preferidos, como por exemplo, usar folhas verdes para enrolar os sanduíches ou fazer “pizzas” de barcos de abobrinha, sem usar farinha!

Fonte:
Artigo original: 5 Reasons to Skip White Bread For Good, publicado no EverydayHealth.com — Brianna Steinhilber.


Um pouco sobre a história do pão
O pão faz parte da cultura de muitos povos e tem um significado importante em várias religiões. Usado como sinônimo de vida e trabalho, alimento do corpo e da alma, ele pode ter sido uma das primeiras comidas preparadas pelo homem, como resultado do cozimento de uma massa feita com farinha de certos cereais, principalmente trigo, água e sal.

O pão faz parte da cultura de muitos povos e tem um significado importante em várias religiões. Usado como sinônimo de vida e trabalho, alimento do corpo e da alma, ele pode ter sido uma das primeiras comidas preparadas pelo homem, como resultado do cozimento de uma massa feita com farinha de certos cereais, principalmente trigo, água e sal. . Blog Saltitando com as palavras
Historiadores estimam que o pão tenha surgido há 12 mil anos na Mesopotâmia juntamente com o cultivo do trigo. Eram feitos de farinha misturada com o fruto do carvalho. Os primeiros pães eram achatados, duros, secos e muitos amargos. Para ser ingerido, o pão era lavado várias vezes em água fervente e depois era assado sobre pedras ou embaixo de cinzas.

O primeiro pão assado em forno de barro foi a 7000 a.C. no Egito, que mais tarde descobriram o fermento. Com as trocas comerciais entre egípcios e gregos, o pão acabou chegando na Europa em 250 a.C.  Com a expansão do Império Romano, o hábito de consumir pão foi difundido por grande parte da Europa, sendo preparado em padarias, mas com a queda do império romano, as padarias acabaram, e a produção de pão voltou a ser caseira.

O retrocesso nessa época foi tanto, que as pessoas voltaram a comer pão sem fermento.  Foi somente a partir do século 12 que as coisas começaram a melhorar na França e, no século 17, o país se destacou como centro mundial de fabricação de pães, desenvolvendo técnicas aprimoradas de panificação.

No Brasil, o consumo de pão só se popularizou depois do século 19,  apesar de ser conhecido desde os colonizadores. Até então, o brasileiro consumia, em grandes quantidades, a farinha de mandioca e o biju, apesar de já conhecer o pão de trigo desde a chegada dos colonizadores portugueses.

No Brasil, o pão começou a ser popular no século XIX, apesar de ser conhecido desde os colonizadores. Os pães feitos no Brasil eram escuros enquanto na França o pão era de miolo branco e casca dourada. Com a vinda dos italianos para o Brasil, no início do século 20, a atividade de panificação se expandiu, e o produto passou a ser essencial na mesa do brasileiro.

Vale lembrar que o pão francês que tanto é usado no Brasil não tem muito a ver com o verdadeiro pão francês, pois a receita deste no Brasil só surgiu no início do século XX e difere do pão europeu por conter um pouco de açúcar e gordura na massa.

Curiosidades sobre a história do pão
• No Egito, o pão também servia para pagar salários: um dia de trabalho valia três pães e dois vasos grandes de cerveja.
 
O retrocesso nessa época foi tanto, que as pessoas voltaram a comer pão sem fermento.  Foi somente a partir do século 12 que as coisas começaram a melhorar na França e, no século 17, o país se destacou como centro mundial de fabricação de pães, desenvolvendo técnicas aprimoradas de panificação.- Blog Saltitando com as Palavras
• Na Europa, passou a ser costume as mães darem para as filhas que se casavam um pouco de sua massa de pão, por achar que, assim, elas fariam um pão tão gostoso quanto o delas!

• Ao longo da história, a posição social de uma pessoa podia ser discernida pela cor do pão que ela consumia. Pão escuro representava baixa posição social, enquanto pão branco, alta posição social. É porque o processo de refino da farinha branca era muito mais caro. Atualmente, ocorre o contrário: os pães escuros são mais caros e, por vezes, mais apreciados por causa de seu valor nutritivo.

• Às vésperas da Revolução Francesa, Maria Antonieta, rainha da França, foi informada de que o povo passava fome: “Eles não têm pão, Alteza”. Ao que ela respondeu: “Se não têm pão, que comam brioches”. Não se sabe se o diálogo realmente aconteceu, mas a frase, de fato, ficou famosa.

• Para os cristãos, o pão simboliza o corpo de Cristo. Na oração do “Pai-nosso” é pedido a Deus “o pão nosso de cada dia nos dai hoje”.

• Para os judeus, o fermento simboliza a corrupção. Por isso, eles só ofereciam a Deus pães ázimos, sem fermento. Até hoje, esse é o pão que eles comem na Páscoa, época em que é proibido consumir qualquer alimento fermentado.

Fonte:
WIkipedia.org
ABIP.org