Saltitando com as Palavras, como o próprio significado da palavra SALTITAR — divagar de um para outro assunto — foi idealizado para expressar e partilhar as pequenas coisas boas, e menos boas da vida, tais como: emoções, dificuldades, desafios, conquistas, alegrias, enfim, pulular este espaço com todo o tipo de informação para o bem-estar e lazer.

Cecê, o Indesejável Odor nas Axilas

Suor, também conhecido como transpiração, é um líquido secretado pelas nossas glândulas sudoríparas, ou, simplesmente,  glândulas de suor. É  um processo que pode começar alguns meses após o nascimento, porém,  o cecê geralmente não ocorre antes da puberdade.

CC ou Cecê que significa cheiro de corpo, origina-se da sigla em inglês B.O. ( Body Odour – Odor Corporal), termo este que surgiu em 1919, em um anúncio de sabonete chamado Odo-Ro-No, mas se popularizou com a campanha do sabonete Lifebuoy na década de 40. Hoje, é um vocábulo devidamente dicionarizado, com aparições tanto no Aurélio quanto no Houaiss.

Cecê, o Mau odor nas axilas, cujo nome técnico é  bromidrose axilar, manifesta-se em  adolescentes e adultos, tanto no inverno, quanto no verão, porém, torna-se mais intenso no verão, já que o calor excessivo pode provocar o aumento da sudorese que pode causar mau odor.


Na verdade, a principal função do suor é controlar a temperatura corporal enquanto se evapora da pele. É um odor inoportuno que incomoda a muita gente, causando constrangimento e,  enquanto, a maioria das pessoas, em alguma vez na vida,  já passou por essa péssima experiência, algumas outras são obrigadas a lidar constantemente com esse problema.  

O suor em humanos é promovido por glândulas sudoríparas e ocorre devido a uma elevação de temperatura externa ou interna que a permite fluir para a superfície do mesmo corpo. Além da água, elimina minerais e outros compostos nocivos ou desnecessários presentes no sangue, como o ácido úrico e, também, têm a capacidade de filtrar do sangue algumas substâncias tóxicas resultantes do metabolismo, como a uréia.

O fato é que a transpiração é a forma mais rápida e eficiente de controlar a temperatura interna do nosso organismo e, apesar de indispensável, a transpiração é um drama se ocorre em excesso. É o caso de quem sofre de hiperidrose, um distúrbio que faz algumas regiões do corpo se encharcarem sem motivo.

Para entendermos melhor o assunto suor e seus cheiros, é necessário saber que o corpo humano tem dois tipos de glândulas sudoríparas: as Écrinas e as Apócrinas.

As écrinas atuam desde os primeiros dias de vida, estão espalhadas na pele de todo o corpo e sua função é a de atuar na regulação da temperatura corporal. Se a temperatura do corpo for elevada, aumenta a produção de suor e quando frio, diminui.

A evaporação do suor retira calor do corpo. A composição principal do suor produzido por estas glândulas é água e alguns eletrólitos, como sódio e potássio. Este suor é drenado pelos poros da pele e usualmente não tem cheiro.

Já as glândulas apócrinas tem outras caraterísticas. Desenvolvem-se mais em certas áreas do corpo, como as axilas, na parte cabeluda da cabeça e nas regiões pudendas. A secreção destas glândulas é drenada, não por poros da pele, mas pelos folículos dos pelos destas regiões.

A distribuição de glândulas apócrinas é variável segundo características etárias e raciais. Por exemplo,  antes da puberdade essas glândulas não costumam ser ativas, já nas crianças a sua atividade é mínima. Índios e as raças amarelas as possuem em número bastante menor. Já os europeus e os negros as tem em número maior.

Algumas doenças podem ser reconhecidas pelo odor do suor de seus portadores. Os hormônios, principalmente, os sexuais, podem dar ao suor um determinado odor, que pode ser do agrado segundo o sexo e o gosto de cada um. É o chamado cheiro de mulher ou de homemdecantados tanto em verso quanto em prosa.

Para que o mau cheiro de corpo seja percebido, às vezes,  mesmo à distância, dois fatores são essenciais: Primeiro a falta de higiene corporal e segundo, maus cuidados com a limpeza das roupas em uso.

Especialistas explicam  que a alteração no odor do corpo pode ter causa no excesso de suor, má higiene pessoal, estresse, obesidade, ingestão excessiva de álcool ou alguns alimentos como cebola, alho, e pimenta.

Certos medicamentos contém componentes que, em algumas pessoas, são eliminadas pelo suor, como por exemplo,  alguns antibióticos, vitaminas e algumas toxinas exógenas ou mesmo as produzidas pelo corpo, podem dar um cheiro característico ao suor.

É normal que em ambientes de muito calor, durante e logo após atividade física de maior intensidade a produção de suor aumente. Pode haver maior produção de suor em alterações emocionais e hormonais como acontece, por exemplo, na menopausa e em doenças da tireóide.

As emoções também podem colaborar para aumentar a produção de suor,  como por exemplo, sentir medo, ansiedade  ou dor podem provocar os chamados suores frios. Tudo isso são reações normais do corpo humano que aumenta a produção das glândulas sudoríparas e libera uma série de hormônios no sangue, que são exalados junto com o suor e podem ser ou não perceptíveis.

Dessa forma, para evitar o CC é essencial que as pessoas tomem banho diariamente e lavem bem os locais do corpo onde se localizam as glândulas apócrinas. A ação de bactérias e fungos sobre estas secreções produzirá um odor que além de ultrapassarem as roupas, impregnam os tecidos, que se não forem lavados com regularidade, ao serem novamente usadas,  exalarão  cheiros desagradáveis mesmo que a pessoa, assiduamente,  tenha se banhado. 

É importante frisar também que a hiperhidrose — sudorese excessiva — que acomete algumas pessoas, principalmente no rosto, nas mãos ou  nas axilas, pode ser resolvida através de procedimento cirúrgico chamado simpatectomia que consiste na remoção cirúrgica do nervo simpático principal.

Vejamos, então, algumas dicas úteis para prevenir o cecê, mas, lembre-se, caso o sintoma persista, consulte um dermatologista.

• Beba muita água. Manter-se  hidratado evita que a temperatura do corpo aumente muito causando ainda mais suor.

• Não descuide da higiene pessoal

• Tome, no mínimo, 2 banhos por dia — manhã e noite.

•  Após o banho seque bem as axilas com uma toalha.

• Troque sua toalha de banho um dia sim e outro não.

• Opte por roupas de algodão, finas e folgadas que não apertem as axilas. Tecidos sintéticos devem ser evitados. 

• Recomenda-se não usar a mesma roupa mais de uma vez, porque o odor pode se impregnar e não sair mais.

•  Não empreste suas roupas pessoais para ninguém.

• Lave as roupas afetadas separadamente e utilize um sabão anti-séptico para que o cheiro seja eliminado.

• Mantenha as axilas depiladas, os pêlos fazem com que as bactérias se proliferem.

• Opte por sabonetes antissépticos e desodorantes antiperspirantes

• Não utilize receitas milagrosas como passar limão em baixo das axilas, isso pode ocasionar queimaduras graves e piorar o que já estava mal.

• Use desodorante apenas quando ja tiver feito a higiene das axilas, jamais por cima do mau odor.

Vale lembrar que alguns desodorantes contêm substâncias que diminuem a proliferação de germes nas zonas críticas, outros contêm substâncias que diminuem a produção de suor e, encontramos ainda, aqueles com ou sem perfume.

Cecê, o Indesejável Odor nas Axilas
Fonte:  ABC da Saúde, Revista Veja, Yahoo! Mulher, Wikipedia
Blog Saltitando com as Palavras

Tags: